Meus vídeo-poemas

Loading...

terça-feira, novembro 03, 2015



Quando um pedido de perdão faz abrir as feridas pensadas estarem cicatrizadas pelo tempo. Dores que vem à tona e abarcam as lembrancas com tamanha nitidez que é possivel sentir o cheiro, ver o rosto, escutar a voz, e tudo que fez a alma sangrar. Reviver e sentir no corpo toda a dor de outrora. 
Uma leve angústia toma conta e aperta o peito. Parece que o tempo não passou. O medo e a fragilidade chegam e querem se apossar. Outras situações similares abrem ainda mais a ferida e põem a prova o que fiz da minha vida. Em alguns momentos sou criança que quer colo e pede proteção, proteção esta que não me foi concedida em tempos de infância. As tranças e os cabelos ao vento lembram-me de que percorri o caminho e segui em frente. Sempre em frente. Mesmo que muitas vezes a trilha tenha sido alterada., ainda assim segui. Guardei tudo, tapei os buracos, floresci. Mas algo que ainda dói depois de tantos anos não pode ter sido perdoado. Perdão gera esquecimento. A lembrança existe mas não dói. Não foi o que constatei. Precisei olhar o desconhecido, contemplar ondas e areias, aninhar-me ao estranho em tapetes e tentar ver-me no cristal do tempo para entender que só o perdão é capaz de por fim a dor,

terça-feira, novembro 11, 2014

Entre luas



entre luas
teu beijo
tocou
face plúmbea
inócua
serena

entre luas
teu olhar
fitou desertos
achou semente
regou terra

entre luas
estilhaços de
passado
acertaram
meu céu

e entre luas
fiquei
lu_a
me tornei

nua
lua
tua

entre as luas
do teu firmamento

Abs-tens(ç)ão



abstenho-me de  sangue
para que corram ideias
nas veias
abstenho-me de  voz
para que cantos ensurdeçam
meus domínios
abstenho-me de sonhos
para que o hoje me apunhale
nos olhos e nariz
abstenho-me de laços
para que os nós se desfaçam
na garganta
abstenho-me
abs...tenho a mim
abstenho-me de mim.

Portal

que me importa
se tua aorta
não comporta
o sangue
que me exorta?

palavra torta
rima morta

o verso recorta
a garganta do tempo
e exporta
e transporta
toda a vida
que a poesia

conforta.

sexta-feira, junho 13, 2014

Divagações




São tantos sonhos
que povoam
a mente in_sana

São tantos versos
e rimas
des_encantadas

São tantos suspiros
e arrepios
na alma

Que em uma
vida só
não cabe

nada

Confusão



Tudo que está
na palma da mão
tudo que muitas vezes
me jogou no chão
tudo em que um dia
acreditei
tudo que fui
e tudo que me tornei
tudo que está perto
e não alcanço
tudo que já fez
cair meu pranto
tudo que está
aqui dentro
guardado
sagrado
manchado
gritando
clamando
agonizando
tudo isso
pode ser apenas

um grande engano

Enchente




menina contempla
a chuva que cai
incessantemente


chuva fina
chuva forte

água que brota do céu
percorre a
silhueta branca
e lava os pensamentos

a chuva enfeitiça
a chuva fascina

menina e chuva
chuva e menina

chuva que alaga os olhos
chove em gestos e gostos
e jeitos e cores

chove fininho
chove dentro de mim

chuva menina em mulher
mulher em chuva menina

e chove
na aurora pungente
chove
até se formar rio
até se formar mar

ondas tempestuosas
lançam a coisas
em cursos distintos
e vai juntando coisas e seres
e sons e sensações
e transforma-se em cascata

água cristalina

e chove em mim

outra vez

E_namorar-se



E_na_morarei-me de mim

quando a lua mansa
tocar-me o mar
e o cintilar
da rosa dos ventos
fizer-me bússola
de meus instintos

e_namorarei-me de mim
a cada verso
sugado da noite fria
pálido, indócil, plácido
a cada rima dissoluta
desemaranhada do rol
de palavras ruivas

enamorarei-me de mim
e namorarei-me em mim

e lá morarei-me em mim

quinta-feira, junho 12, 2014

Intrusa



Ela entra furtiva
troca cores
ressalta dores
escolhe o penteado
e a cor do sapato
e vai ficando

sorrateira
muda o olhar
cala o que há pra falar

Ela adentra
furta
corrompe
boicota
enfeitiça

voraz ânsia
de assumir o comando

Ela cria versos
e acende estrelas

Ela adorna o ventre
e dança entre luas

Está aqui agora
e de repente
vai embora

É ela
invasora
fugidia
incisiva

A intrusa 
que mora
em mim.

Luh Oliveira


12/06/2014
23:10h

segunda-feira, junho 09, 2014

Anjo


quem me vê assim
calada e calma
não imagina
o mar que habita
em mim

mar azul verde cinza
ondas sonoras
e tempestivas
nuances de lua cheia
aquarela, nanquim

segredos de concha
arco-íris de águas vivas
sereias e peixe-espada
tartarugas e relíquias
tesouro de marfim

que me vê assim
a observar a lua
não imagina
o mar que habita
em mim

a_mar
que habita em mim

sem fim

segunda-feira, março 11, 2013

LUiZ


 
 
 
 
Mesmo que se fechem todas as portas
e o brilho do dia se aprisione
no porão do medo
Mesmo que apaguem todas as estrelas
e caiam em cadeia os cometas
na escuridão da lua nova
Mesmo que emudeçam todos os canários
e cotovias e cigarras se engasguem
em soluços e lágrimas
Mesmo que gritem todas as dores
e se lancem em desespero
no abismo da tristeza
Ainda assim vejo LUiZ em mim.
Ainda assim teu sorriso nasce em mim.
Ainda assim tua vida vive em mim.
LUiz, sempre LUZ.
 
 
Luh Oliveira em 28/05/2012 às 22:20h.

domingo, fevereiro 24, 2013

In_fin_ito


 
naquele instante
o relógio deu corda
para trás
e por um momento
o tempo
não passou
 
os teus lábios
nos meus lábios
com a paixão
de outrora
com a fragrância
de aurora
com o gosto
de amora
 
naquele instante
voltaste enfim
infinitamente
em mim
 
LuhOliveira
 

sexta-feira, fevereiro 22, 2013

Colo_rir

 
Photo by Luh Oliveira - Alto da Boa Vista- Ilhéus-Bahia
 
 
 
 
Quando o peito se fecha
e a escuridão tenta reinar
majestosa e única
eis que surge no infinito
com simplicidade
 
e doçura
o mais belo
arco-íris.
  
  
Luh Oliveira
 
21/02/2013

domingo, dezembro 02, 2012

Primeira vez


Já andei descalça na chuva
Já comi dez cachos de uva
Já caminhei à noite na praia
Já andei de moto de mini-saia
Já chupei manga verde com sal
Já comi bolo até passar mal
Já fiz castelos de areia
Já contei segredos pra Lua Cheia
Já escrevi nas pernas um poema
Já tomei banho de alfazema
Já engasguei comendo pipoca
Já cortei o dedo ralando mandioca
Já li um livro inteiro num só dia
Já me embriaguei de tanta poesia
Já saí na noite sem destino
Já tentei tocar violino
Já contei as estrelas do céu
Já pintei meus cabelos de mel
Já amei, desamei, briguei, chorei
Já casei, xinguei,cantei, dancei
Já fiz tanta coisa na vida
Mas amar alguém assim
Como amo você
É a primeira vez.

CRUCI-FIXO EM TI


Do meu sangue
Viveste
De meu sangue
Renovaste
De tua crença
Meu sangue
Condenação

por amar-te
Crucifica-me! Crucifica-me! Crucifica-me! Crucifica-me! Crucifica-me!
Crucifica-me!Crucifica-me!Crucifica-me! Crucifica-me! Crucifica-me!
Nega o meu amor! Nega o meu amor! Nega o meu amor! Nega o meu amor!
Vim ao mundo salvar-te! Vim ao mundo salvar-te!Vim ao mundo salvar-te!
Nega-me ! Nega-me ! Nega-me ! Nega-me ! Nega-me ! Nega-me ! Nega-me !
Do meu sangue
Lavei tua alma
Do meu sangue
Purifiquei meu corpo
Ressuscita-me em ti
Ressuscita-me!
De volta ao lar
De volta ao pai
Pra todo sempre
Contigo estarei.

Lentes

 
 
 
das lentes do poeta
nada escapa
-tudo capta-
e se revela
sob a luz
da palavra
 
 
LuhOliveira
18072012

sábado, dezembro 01, 2012

Madrugada



É madrugada.
A cidade parece parada
para ser transformada
A natureza repousa azuis
sobre todos os quintais
e tempos
pra ser orvalhada
Silêncio.
E eu calada.
Absolutamente calada.
Apenas a escutar o silêncio
Solidão?
Não. Meditação.
Profunda reflexão.
Comum união.
Comunhão.
Eu a ouvir.
Eu e Ele.
Ele e eu.
Nós dois.
Eu e Deus.
(09/07/2006)

sexta-feira, novembro 30, 2012

Perfeição?





 
             Mais uma manhã nublada que vejo adentrar pela minha janela. Um dia comum, rotina. Mal abro os olhos e uma chuva de compromissos inundam meu dia: dar a mamadeira do bebê, acordar as filhas mais velhas, tem exame de sangue pra fazer, tem que pegar o resultado de outros exames, é dia de pegar o resultado escolar, é dia para pagar recuperação, tem que ir ao banco pedir empréstimo, acabou a água mineral, ligaram informando que a consulta foi adiada, hoje tem paralisação das escolas, pegar os contracheques, reclamar dos erros no salário, comprar material para a reforma da casa, levar o bebê para tomar vacinas, consertar notas erradas, elaborar provas de recuperação, já temperei o peixe do almoço? E ainda são 10 horas da manhã...
            Como poder manter um sorriso estampado na cara o dia inteiro se a vida é cheia de atropelos? Uma mãe sozinha com seus três filhos em idades distintas pode ficar sem rugas? Pode não ter um ataque de ansiedade e assaltar a geladeira? Como posso ser perfeita?
          Mal o dia começa e uma enxurrada inunda meu ser. Uma angústia no peito, uma sensação de cansaço, de " não consigo mais". O dia a dia da gente, mulheres sozinhas, chefes de família, mãe, profissional, mulher, dona de casa, faxineira, cozinheira...não está nada fácil. E ainda dizem que a mulher é sexo frágil? Como dizia Erasmo Carlos: " Mas que mentira absurda!"
            E o dia vai passando, e com ele a agenda vai sendo vivida, minuto a minuto. Aos poucos entro na rotina, resolvo as coisas, esqueço outras e a vida segue seu rumo.
           Não existe perfeição alguma em ser mulher na sociedade atual, o que tento todos os dias é ser feliz!

domingo, novembro 11, 2012

Ânsia


 

um dia traz outro dia
o sol alimenta a alma
assim que se levanta
...

o mundo não para
pra que problemas
sejam resolvidos

que bom que o sol
vai voltar amanhã...

11/11/12

quinta-feira, novembro 08, 2012