Meus vídeo-poemas

Loading...

segunda-feira, dezembro 26, 2005

Olhos de mar

Olhos verdes
Verdes de mar
Quantos segredos
estás a ocultar?
Por que teu mistério
Não consigo desvendar?
Olhos verdes
Tentadores
Encantadores
Olhos de mar
Secretos
Profundos
Quando poderei
te adentrar?
Olhos verdes
Verde de mar...

quarta-feira, dezembro 21, 2005

Natal

Tempo de confraternização
As pessoas comemoram o nascimento
Do menino Jesus
Da paz
Da união
Mostram o seu carinho
Através dos cartões
De presentes e da ceia fraterna.
É, as pessoas se aproximam
Uma das outras
Abrem seus corações
Deixam o amor florescer
As famílias se reúnem
Os amigos se cumprimentam
Há festa – há alegria
Todos comemoram um novo nascer
Um nascer para a vida melhor
Para a pureza
Para a inocência
Nascer – Natal!

domingo, dezembro 18, 2005

Lua

Desponta na linha do horizonte
A magnífica lua cheia
Esplendorosa, reluzente
Ostentanto seu diadema dourado.
Sobe ao céu levando luz
Iluminando os olhos escuros
Aquecendo o coração solitário
Lembrando o ser amado.
Vem, lua
Aquece meu coração...
Brilha no infinito
Faz tudo parecer bonito
Ilumina a vida que brota diante de teus pés.

sábado, dezembro 17, 2005

Feiticeira

Fulgaz fogo
Fúlgido, forte
Festa fervente
Fértil fênix
Fera feiticeira!

Angústia

Arde em meu peito
Não ter-te aqui
Guio-me pelas lembranças
Um toque teu
Sufoca em mim a saudade
Tira-me o sossego
Imagem que não sai da cabeça
Ansia de estar contigo.

sexta-feira, dezembro 16, 2005

Cores da vida

Vida cheia de encantos
Cores e dores
Violeta, rouxinol
Branco, acalanto
Preto, poemeto
Rosa, singular.
Azul, céu infinito
Verde, o indecifrável em teus olhos
Marrom, a vida e seu tom
Vermelho, meu coração em desespero
Amarelo, o sol a nascer de novo
Há vida em cada amanhecer.

quarta-feira, dezembro 07, 2005

Liberta-te!

Liberta-te animal que vive em mim!
Solta-te! Foge!
Corre por entre as matas
Sacia tua sede de sangue
Penetre por entre coxas
Urra! Grita! Ama!
Voa por entre vales e desertos
Invade todos os corações
Leva contigo o sabor das manhãs
A imagem afrodisíaca da lua cheia
A branda energia do pôr-do-sol
Caminha sobre as nuvens
Brinca com os pássaros do céu
Aventura-te!
Explora a vida diante de teus olhos!
Extasia-te com teu poder!
Busca o oásis que mata a tua sede!
Caça a presa que sacia a tua fome...
Poderosa fera....Liberta-te de mim!

quarta-feira, novembro 30, 2005

Ponta do Humaitá

Perfeito pôr-do-sol
Ostentando magia
Nobre beleza
Tarde sublime
Anoitecendo em esplendor
Dádiva divina
Olhos de luz
Humaitá
Única paisagem
Magnífica vista
A Baía de Todos os Santos
Imagem inesquecível
Traduz saudade
Amor distante...

[black]By Lu Oliveira

quinta-feira, novembro 24, 2005

Algo

Algo sufoca em mim
Deseja respirar e não consegue
Faltar ar, falta alimento
Meu corpo e minha alma
Enchem-se de dor
Agonia palpitante
Rosa serena e murcha...
Firo-me com meus próprios espinhos
Espinhos sem defesas
Coração sedentário
Difamado, desorientado
Você está guardado aqui!

quarta-feira, novembro 23, 2005

Sinal

Silêncio é sinal de orgulho,
de desprezo ou
de algo que não se quer falar....
Silêncio é sinal de angústia
de solidão
de dor que não quer indagar...
Silêncio machuca
tortura
cala o que não quer suportar...

segunda-feira, outubro 17, 2005

Silêncio

Olhos indecifráveis
Mistério no ar
Silêncio nos olhares
Silêncio entre as palavras
Velocidade - Viajar
Sol - Mata
Pedra sobre pedra
Fruta no pé - Gorjear
Água na fonte
Silêncio no tocar
Estrada perfeita
Lindas paisagens
Música - rádio
Silêncio que tudo diz
Silêncio que nada quer falar
Mínimos gestos
Total desapego
Alma tranquila
Corpo sedento
Evitar contatos
Silêncio mudo
Algo solto no vento
Lua cheia
Diálogo telepático
Felicidade tristonha
Erros - acertos
Sonho lunático
Sonho - sonho - sonho!
Tudo pra dizer
Nada pra falar...
Silêncio...o que quer me contar?
Desistir.
Tentar.
Silêncio.
Fim.

terça-feira, outubro 04, 2005

Há dias

Há dias em que tudo parece desmoronar
Um vendaval de sensações passa
Invade todas as guaritas
Derruba todas as muralhas
Faz-nos vulneráveis e fracos...
Há dias em que nada parece dar certo
E tudo fica tão incerto
Como se nada agora fosse se acertar...
Há dias em que tudo parece escuro
Onde o cansaço impera o mundo
E lá no fundo tudo se apaga
Como se o sol nunca mais fosse brilhar..
Há dias em que as lágrimas jorram
Tentam lavar a alma
Tentam jogar tudo fora
Como se um peso pudessem aliviar...
Há dias em que tudo que eu queria
Tudo que eu precisava
Tudo que eu desejava
Era um abraço seu...

sexta-feira, setembro 23, 2005

Espelhos da alma

Espelhos de minha alma
Refletem sonhos impossíveis
Busca no concâvo a esperança
E no convexo a exatidão
Espelhos que reluzem flores
Semeiam ventos
refletem medos e aspirações
Subjaz desejos e melancolia
Traduzem a profundeza do ser
Imagem refletida de mim.

Hannalu

Hesitei na escolha do nome
Apostei numa combinação diferente
Nem percebi o quanto era forte
Não imaginei o quanto seria especial
A menina mais doce do mundo
Luz da minha vida todos os dias
Um ser que amarei pra sempre...

Luana

Linda flor que brotou de meu ventre
Um sonho que foi realizado
Adorada desde sempre
Nada há de nos separar
Amo muito você, filha!

quarta-feira, setembro 21, 2005

Chance

Quero a chance de sonhar
Pular, dançar, cantar
Quero ver o sol nascer de novo
Quero sentir o barulho do mar nas pedras
O caminhar na areia molhada
O sol poente
Quero a chance de acreditar
Falar, ouvir, indagar
Quero ver a lua apontando
Sentir o canto dos pássaros nos arvoredos
O frio orvalho da madrugada
O sentir-se gente.
Quero a chance de viver
Crer, fazer e acontecer
Quero ver o sorriso no rosto das pessoas
Sentir o que há de bom em cada coração
O olhar, o tocar, o abraçar
Um ser vivente!

quarta-feira, setembro 14, 2005

Duas em uma

Sou duas em uma
Imagem espelhada?
Porção estragada?
Uma parte de mim grita e chora
A outra parte, implora
Uma parte pula e canta
A outra se espanta
Uma parte bebe e come
A outra parte se esconde
Uma parte é esperta
A outra está sempre alerta
Uma parte de mim é só ilusão
A outra parte é explosão.
Uma parte é sempre viva
A outra se esquiva
Uma parte é sono
A outra, sonho
Uma parte de mim é poesia
A outra parte também.

sexta-feira, setembro 09, 2005

Auto-imagem

Assim vejo diante do espelho
Um ser único, ímpar
Transformado pelo tempo
Ocultado pela dor
Imagem esquecida
Magma - néctar - luz.
Aprendiz da vida
Gente forte, ferida
Escondida em mim
Mulher, enfim!

Inspiração

Instintivamente sua presença me trouxe
Novelos de sensações
Sentidos apurados
Poesia latente
Inspiração
Raros momentos
Atração de palavras
Concertos
Asas e imagens
O meu ser de novo em mim...

quinta-feira, setembro 08, 2005

Madrugada

Surpresa na madrugada
Pé ante pé
Caminhar silencioso
Cheirar
Beijar
Surpresa em sonho
Abraço apertado
Coração a palpitar
Doce momento
Banho quente
Olhares e sentidos
Corpo a explorar
Carícia
Desejo
Saudade
Simplesmente amar...

quarta-feira, setembro 07, 2005

Sou

S into a vida como poesia
O uço música no vento
Ultrapasso as fronteiras do sonho
A paziguo as dores
S obrevôo reinos distantes
S imbolizo as flores
I nduzo os mais doces sentimentos
M e transformo em todas as cores
L i berto-me de todas as correntes
I nvento-me conforme meu desejo
V ejo o íntimo dos olhares
R ecebo gotas de desprezo
E ncontro-me com Deus!

segunda-feira, setembro 05, 2005

Língua

Língua que roça em Camões
Língua-pátria
Língua que lambe
Língua que mata
Língua que acaricia
Língua que envenena
Língua que exalta!

sábado, setembro 03, 2005

Retrato

R evelar o íntimo
E xalar o perfume
T ransbordar a face
R etocar o lume
A uto - imagem
T ranportada no espelho
O meu eu refletido em mim!

sexta-feira, setembro 02, 2005

Coisas Simples

A leve brisa do amanhecer
Sentir você...
A beleza do sol nascente
Você na minha mente...
Chuva forte
Orvalho a exalar perfume
Vento ...brisa...
Sol a brilhar
Dia a começar
Em você pensar...
Dia finda
Pôr-do-sol
Noite chega
Lua cheia
Andar descalço
Abraço apertado
Você ao meu lado...
Coisas simples
Vida simples
Natureza
Cavalgar
Sorvete
Caminhar
Crianças
Bagunçar
Família
Amar

Amigos
Festejar
Nós dois juntos
Sonhar...


( dedicado a J.S.S, meu fofo...)

quinta-feira, setembro 01, 2005

A noite

A noite traz o frio
dos sonhos perdidos
recolhe para o leito
um imenso vazio.
A noite chega calma e pálida
um dia que finda
um sonho que chega
uma esperança inválida.
A noite traz segredo
olhares distantes
desejos incontidos
reflexos, espelhos
A noite traz a noite
um segredo guardado
uma surpresa
um telefonema
uma receita
um grande amor...

terça-feira, agosto 30, 2005

Quando eu nasci

Quando eu nasci
Um anjo retrucou
Menina maluca,
Em que mundo
você se enfiou?
Neste exato momento
Senti um desejo profundo
De me apoderar deste mundo
Saber o que havia por lá.
Subi montanhas e barreiras
Flutuei na lua cheia
Mergulhei no rio e no mar
Encontrei gente de todo jeito
Animal pra lá de perfeito
Natureza pra se admirar
Então meu anjo sabido
Veio até mim, aflito
Pedindo pra eu lhe contar.
O mundo é uma beleza!
Então deixe de moleza...
O que vale aqui é amar!

Lu Oliveira
23/08/2005

segunda-feira, agosto 29, 2005

Estúpida Sensação

Cola no peito
Ignora a razão
Urra feito fera ferida
Mexe com toda a emoção
Estúpida sensação!

domingo, agosto 28, 2005

Quem pensa...

Quem pensa que é
pra dizer quem eu sou...
O que ousa definir
sem saber como eu estou...
Julga-se onipotente
Senhor da razão
Leva-se por preconceitos
Magoa meu coração...
Apesar de ter sempre me visto
Jamais me enxergou
Embora tenhamos convivido
Nunca descobriu o que sou...
É preciso aprender a ver
É preciso saber mais
Você acha que pode tudo
Mas poder tudo é demais...

terça-feira, agosto 23, 2005

Lua Cheia

Lua cheia
Um lobo a uivar
Animal no cio
desejos incontidos
Vontade de amar
Fêmea ardente
Um louco vazio
Morrer de frio
SAudade de matar
Doce desejo
Sentidos seguros
O corpo pede
A paixão impulsiona
Olhares que provocam
Explosão de prazer!

sábado, agosto 20, 2005

O Sol e a Lua

Somos como o Sol e Lua
Esperando um eclipse
para nos encontrar...
E ficarmos um
bem coladinho no outro
Por um tempo tão curto
e tão intenso
Num mágico e
profundo momento
E de novo nos separar....

quinta-feira, agosto 18, 2005

Pedra

Pedra!
Quero ser pedra...
Não quero mais sentir...
Pedra!
Quero ser forte...
Nunca mais cair...
Pedra!
Quero ser rocha...
Pra jamais ter que desistir...
Sentimentos enfraquecem
Faz-nos vulneráveis
Esperanças e promessas
De repente nos invadem
Pra que sentir?
Pra que deixar o sangue ferver
Se todo fim é certo
Se tudo é tão incerto
E nós não queremos ver?
Ah! coração....
Músculo involuntário
Deixa-se levar fácil
Bate forte intensamente
E quem quiser
que se aguente...
Pedra!
Quero ser pedra!
Não quero mais sentir!


Lu Oliveira 18/08/2005

quarta-feira, agosto 10, 2005

Impossível

I nsistir num sonho
M apear uma ilusão
P or que tem que ser assim
O impossível sempre
S e tudo é tão sincero
S e tudo é tão vivido?
I nsensato coração
V ive de enganos
E ntra em enrascadas
L uta contra o destino.

segunda-feira, agosto 08, 2005

Desistindo de você

Dei tantos passos incertos
Esperando enfim acertar
Simplesmente ousei
Imaginei poder amar
Senti fragrâncias e melodias
Te senti na alma
Insinuei meus sentimentos
Narrei minhas fantasias
Doei meus doces pensamentos
Ostentei um quê de poesia
Desenhei-me conforme minhas vontades
Espelhei-me em seu desejo
Vivi momentos puros
Ofegando de tanta voracidade
Cada momento sonhado ou vivido
Estará pra sempre na memória.

domingo, agosto 07, 2005

Incerta

Incerta
Levo a vida
Ouço pensamentos e melodias
Viver é uma arte infindável
Encolho-me em meu casulo
Já não sei o que pensar
O que fazer eu não sei
Continuar me enganando
Acordar sangrando...

quarta-feira, agosto 03, 2005

Sentimento Abafado

Em meu peito bate um coração
Sofrido e solitário
Abafado e cansado
Eternamente calado.
Sentimento profundo
Habitou em meu mundo
E nunca mais se foi
Acomodou-se
Calou-se
E de repente surgiu
Como flecha certeira
E fez minha cabeça girar
E fez minha vida mudar
E me fez de novo amar...

terça-feira, agosto 02, 2005

Por que te amo?

Por que te amo?
Se nem o tempo conseguiu
Se até o relógio me traiu
Por que te amo?
Se ao teu lado nunca estou
Mas tua sempre sou
Por que te amo?
Se o céu pra mim é triste
Sem meu amor nada existe
Por que te amo?
Se o tempo era o melhor remédio
Se não consigo me livrar do tédio
Por que te amo?
Por que te amo?
Por que te amo?
Se um dia tu souberes
Se um dia me disseres
Por que te amo.
Saibas que meu amor
Sempre foi teu com fervor
E nunca se abalou
E nunca se calou
e nunca se desencantou
e em ti sempre pensou
e sempre indagou:
Por que te amo?