Meus vídeo-poemas

Loading...

terça-feira, janeiro 30, 2007

Encanto da lu(a)




Quando senti o sangue
Descendo por entre as coxas
(lágrima que rola
num adeus às bonecas)
De crescente
Tornei-me lua cheia...
Meu corpo, suave barro
expelindo essências
modelado pelas mãos
da suprema criação.
Nos olhos, estrelas cadentes
Nos lábios, néctar de flores
No ventre, fértil magma
Vulcão em erupção.
Nas mãos, rosas vermelhas
Regadas entre cinco espinhos.
Quando senti o sangue
rolando por entre as coxas
De crescente
Tornei-me lua cheia
E a cada estação
Irei te encantar...

Um comentário:

Mão Branca disse...

Hei,
viagem este poema. Bacana.
Pergunta: a autora ficou grávida na primeira relação?
[]s