Meus vídeo-poemas

Loading...

segunda-feira, julho 23, 2007

Menina


Ei menina
vai embora não...
Preciso de você
pra poder sonhar

Comer nuvem
com calda de chocolate
Morder a lua
e beber água do mar

Acreditar
que o amanha existe
e que todos são capazes
de mudar

Enxergar a alma de cada ser
e ter certeza de que a bondade
vai vingar

Ei menina
vai embora não...

no corpo desta mulher
ainda bate teu coração...

sábado, julho 14, 2007

A Morte em conta-gotas


De gota em gota
em leves doses
sinto a morte
tomando meu corpo

sem sabor
sem odor
sem sentido

força que se esvai
evapora em companhia
de lágrimas teimosas

doses homeopáticas
antipáticas
insistem em mudar
o curso do rio

corredeira
pedras
no fim de tudo
bela paisagem.

quinta-feira, julho 12, 2007

Sonhos a lados




Na janela do quinto andar
solto sonhos ao vento
vejo-os sobrevoando
a cidade desconhecida...
prédios cinzas ornamentam
avenidas enfeitadas de buzinas
pessoas que vem e vão
em direções contrárias
rumo à mesma estrela
posso avistar o mar ao longe
talvez o sonho busque
a água cristalina para repousar
talvez busque uma ilha
para se isolar
os olhos acompanham a cena
cinema mudo
palavras não têm voz
apenas desenham no papel
uma ponte
entre mim e o sonho
Talvez assim
seja possível
alcançá-lo.

domingo, julho 08, 2007

(DES)Encontros


A primeira vez que nos vimos
estava perdida na floresta
acreditei em seu conselho
pegou-me numa armadilha
satisfez seu desejo fedelho
Você, Lobo Mau
Eu, Chapeuzinho Vermelho.

A segunda vez que nos vimos
fizemos do amor uma guerra
nações em plena glória
fascinados pela doce beleza
que fez de mim tua jóia
Você, Menelau
Eu, Helena de Tróia

A terceira vez que nos vimos
guerreávamos pelo sul do país
justiça, paz, humanidade
luta por convictos ideais
igualdade, liberdade de verdade
Você, Giussepe
Eu, Anita Garibaldi

A quarta vez que nos vimos
chocamos toda uma sociedade
sangue que nos afasta
lutamos contra o mundo arcaico
ao amor demos um basta
Você, Édipo
Eu, Jocasta

A última vez que nos vimos
estávamos no mesmo horizonte.
seguindo em encruzilhada
enfeitados por cicatrizes
pela vida traquejada
Você, Caminho
Eu, Estrada.

quinta-feira, julho 05, 2007

Ciranda da Rosa Vermelha

Na ciranda
da Rosa Vermelha
beijaste minha mão
e me tiraste
para ser teu par.
Rodopiamos primavera adentro
fizemos canção pro vento
perfumamos todo o ar
Sapateamos na maré cheia
fizemos castelos de areia
oferendas pra Iemanjá
Te ofereci todo meu carinho
pus flores no teu caminho
conjuguei o verbo amar
Agora o inverno chegou
a ciranda parou
Rosa vermelha começou a murchar
Suas pétalas caem pela estrada
deixando marcas caladas
e uma leve tristeza no olhar
Nova ciranda rodando
tu em outras flores tocando
Rosa vermelha não vai mais voltar...


Niterói – RJ
02/07/2007 – 18:30h