Meus vídeo-poemas

Loading...

domingo, dezembro 02, 2012

Primeira vez


Já andei descalça na chuva
Já comi dez cachos de uva
Já caminhei à noite na praia
Já andei de moto de mini-saia
Já chupei manga verde com sal
Já comi bolo até passar mal
Já fiz castelos de areia
Já contei segredos pra Lua Cheia
Já escrevi nas pernas um poema
Já tomei banho de alfazema
Já engasguei comendo pipoca
Já cortei o dedo ralando mandioca
Já li um livro inteiro num só dia
Já me embriaguei de tanta poesia
Já saí na noite sem destino
Já tentei tocar violino
Já contei as estrelas do céu
Já pintei meus cabelos de mel
Já amei, desamei, briguei, chorei
Já casei, xinguei,cantei, dancei
Já fiz tanta coisa na vida
Mas amar alguém assim
Como amo você
É a primeira vez.

CRUCI-FIXO EM TI


Do meu sangue
Viveste
De meu sangue
Renovaste
De tua crença
Meu sangue
Condenação

por amar-te
Crucifica-me! Crucifica-me! Crucifica-me! Crucifica-me! Crucifica-me!
Crucifica-me!Crucifica-me!Crucifica-me! Crucifica-me! Crucifica-me!
Nega o meu amor! Nega o meu amor! Nega o meu amor! Nega o meu amor!
Vim ao mundo salvar-te! Vim ao mundo salvar-te!Vim ao mundo salvar-te!
Nega-me ! Nega-me ! Nega-me ! Nega-me ! Nega-me ! Nega-me ! Nega-me !
Do meu sangue
Lavei tua alma
Do meu sangue
Purifiquei meu corpo
Ressuscita-me em ti
Ressuscita-me!
De volta ao lar
De volta ao pai
Pra todo sempre
Contigo estarei.

Lentes

 
 
 
das lentes do poeta
nada escapa
-tudo capta-
e se revela
sob a luz
da palavra
 
 
LuhOliveira
18072012

sábado, dezembro 01, 2012

Madrugada



É madrugada.
A cidade parece parada
para ser transformada
A natureza repousa azuis
sobre todos os quintais
e tempos
pra ser orvalhada
Silêncio.
E eu calada.
Absolutamente calada.
Apenas a escutar o silêncio
Solidão?
Não. Meditação.
Profunda reflexão.
Comum união.
Comunhão.
Eu a ouvir.
Eu e Ele.
Ele e eu.
Nós dois.
Eu e Deus.
(09/07/2006)

sexta-feira, novembro 30, 2012

Perfeição?





 
             Mais uma manhã nublada que vejo adentrar pela minha janela. Um dia comum, rotina. Mal abro os olhos e uma chuva de compromissos inundam meu dia: dar a mamadeira do bebê, acordar as filhas mais velhas, tem exame de sangue pra fazer, tem que pegar o resultado de outros exames, é dia de pegar o resultado escolar, é dia para pagar recuperação, tem que ir ao banco pedir empréstimo, acabou a água mineral, ligaram informando que a consulta foi adiada, hoje tem paralisação das escolas, pegar os contracheques, reclamar dos erros no salário, comprar material para a reforma da casa, levar o bebê para tomar vacinas, consertar notas erradas, elaborar provas de recuperação, já temperei o peixe do almoço? E ainda são 10 horas da manhã...
            Como poder manter um sorriso estampado na cara o dia inteiro se a vida é cheia de atropelos? Uma mãe sozinha com seus três filhos em idades distintas pode ficar sem rugas? Pode não ter um ataque de ansiedade e assaltar a geladeira? Como posso ser perfeita?
          Mal o dia começa e uma enxurrada inunda meu ser. Uma angústia no peito, uma sensação de cansaço, de " não consigo mais". O dia a dia da gente, mulheres sozinhas, chefes de família, mãe, profissional, mulher, dona de casa, faxineira, cozinheira...não está nada fácil. E ainda dizem que a mulher é sexo frágil? Como dizia Erasmo Carlos: " Mas que mentira absurda!"
            E o dia vai passando, e com ele a agenda vai sendo vivida, minuto a minuto. Aos poucos entro na rotina, resolvo as coisas, esqueço outras e a vida segue seu rumo.
           Não existe perfeição alguma em ser mulher na sociedade atual, o que tento todos os dias é ser feliz!

domingo, novembro 11, 2012

Ânsia


 

um dia traz outro dia
o sol alimenta a alma
assim que se levanta
...

o mundo não para
pra que problemas
sejam resolvidos

que bom que o sol
vai voltar amanhã...

11/11/12

quinta-feira, novembro 08, 2012

quarta-feira, novembro 07, 2012

IMPLOSÃO


É dor.
um fisgar no peito
cada hora, cada minuto
doses homeopáticas
de suave anestésico
 
no peito explodem
dinamites de medo
toda uma construção
implode em segundos
 
uma dor que traz
à tona outra dor
escondida sob sete vidas
 
um flash back da memória
 
ergui uma imensa construção
em cima da dor calada
imperiosa arquitetura
sustentada em pilares no
silêncio do tempo
 
em segundos tudo emerge
duas dores se encontram
em uma só cicatriz
 
hoje dói mais
hoje dói demais
 
Luh Oliveira
07/11/2012 - 00:26h

sábado, setembro 08, 2012

Ondas





de onde vem esta sede
que me resseca a alma
faz-me salivar anseios
e regurgitar dores
- fendas entreabertas-
incessantemente?
levito entre nuvens
percorro asfaltos
salto montanhas
- tenho sede -
preciso molhar a palavra
nas ondas vorazes
das águas do mar
preciso lavar a alma
nas ondas sedentas
das águas do mar
preciso enterrar-me inteira
nas ondas velozes
das águas do mar


LuhOliveira
08/09/2012

quarta-feira, agosto 08, 2012

Explícitos Desejos


Homem ma duro
morde-me
doce mente
deixa-me em apuro
com as pontas do dedo
faz-me carícia
torna-me afoita
no beijo teu
Percorre com
língua úmida
a paisagem
nua
na tela em que
pintas meu prazer

Homem ma duro
amadurece
pecados em mim
sabor de fruta
no pé
água na boca
ávida por ti
Destranca a porta
faz-me agir
descola pernas
devora
Sou eu, meu macho
quem implora
a noite acanhada
canta desejos
sinfônica mente no
duo mágico
de corpus nus

Lu Oliveira & Thiers Rimbaud
Jul/07

segunda-feira, agosto 06, 2012

Amargura

Insuficiência




meu peito dilacerado
joguei ontem à noite
na tua janela
noite sem lua
sem testemunhas estrelares
joguei-o sem pontaria
num arremesso incerto


que ele desfacele
no frio chão
da sua infinita inconstância


LuhOliveira
10/07/2012

domingo, agosto 05, 2012

Grito



meu momento
é silêncio
é escuta
abrir todos os sentidos
para meu mundo
tentar entender
escutar a própria voz
proferida em outras vozes
saber o outro
sentir o outro
conhecer...
meu momento
é silêncio
é escuta
ouvir tudo que o silêncio
sussurra em meu ouvido
escutar tudo que o silêncio
grita em meus sentidos
olhos - boca- ouvidos
mãos e nariz
todos a serviço do silêncio
que reina majestoso
dentro de mim

LuhOliveira